FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco

FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco
Em busca da equidade

terça-feira, 6 de março de 2018

Março Lilás - 2018

 Roda de Conversa
Roda de Conversa com Mulheres da Comunidade

Vivência e Arte
Mulheres no Fisco do Março Lilás

O Fórum de Mulheres no Fisco coordenou uma Roda de Conversas com mulheres da comunidade do entorno do InsTI - Instituto Tonny Ítalo, localizado no Bairro Barrocão, na cidade metropolitana de Fortaleza, Itaitinga/CE. Atividade integrou e deu início a encontro mensal na instituição, reflexionando com médicos, homens e mulheres habitantes da comunidade, e mulheres do FMFi, trazendo em sua abordagem a temática do Março Lilás – Mês da Mulher! Na sequência, uma vivência coordenada pelas “Queridinhas”, com Oficina criativa de arte bijuteria. 
Coordenado pelo Grupo Eu Sou, seguiu a prece alusiva à Quaresma Cristã. Cestas de Alimentos (proveniente das doações), finalizando com lanche fraterno solidário.

 

"gratidão ao FMFi e ao InsTI pelo convite e às mulheres participantes que me ensinaram a ser um ser mais humano, mais solidário e menos machista." João Almeida, médico que participou da Roda de Conversa
“Ontem (sábado, 24 de março), eu tive imensa alegria de conhecer um espaço que transborda coletividade e solidariedade – o Instituto Tonny Ítalo, enraizado num bairro pobre de Itatinga/CE, um lugar cheio de gente, de frutas e sementes, de histórias diferentes, de vontades e ações consequentes. Lá onde o tempo não para, nos juntamos – comunidade e movimentos populares organizados (mulheres, homens, crianças, o movimento FMFi- Fórum de Mulheres no Fisco e a Rede Nacional de Médicas/os Populares ) -  aconteceu uma roda de conversa resgatando e reflexionando sobre o verdadeiro sentido do  ´´8 de março``, data que homenageia as  Mulheres do mundo inteiro. Data historicamente construída com sangue feminista.  As mulheres da Comunidade do Barrocão contaram como é seu dia-dia, a luta e a resistência para se manterem de pé a margem da sociedade. Aprendi e me emocionei com as falas. Recordo que uma destas lutadoras anônima foi bastante intensa nas suas colocações sobre o machismo vivenciado por ela dentro e fora de casa. E outra mulher também mexeu com os sentimentos, quando contou como estava resistindo firmemente à perda do seu companheiro assassinado a tiros perto de sua casa- “eu sonhei e ele me disse que está feliz”. Com tamanha força, unidade e prática sentida nas suas palavras as companheiras do FMFi enriqueceram ainda mais a roda com dados históricos e atuais das lutas das mulheres contra o machismo e o capitalismo pelo mundo. Informaram que nos dias de hoje as mulheres tem média de escolaridade maior que a dos homens. Mas por outro lado a igualdade de oportunidades entre homens e mulheres ainda está longe do ideal. Citaram outras conquistas como o voto feminino em 1932 no Brasil. Lembro que, 78 anos depois, Dilma Rousseff foi eleita a primeira presidente do país e que em 2016 uma burguesia machista e entreguista a arrancaram do cargo e feriram violentamente a nossa democracia. Lei Maria da Penha, a farmacêutica cearense Maria da Penha Maia Fernandes exigiu na justiça que seu agressor fosse condenado. Sua luta virou modelo para a Lei 11.340 que aumentou o rigor nas punições para violência doméstica ou familiar no Brasil. Se conhecem mais escritores mulheres como Rachel de Queiroz, por exemplo.
Enfim, gratidão ao FMFi e ao InsTI pelo convite e às mulheres participantes que me ensinaram a ser um ser mais humano, mais solidário e menos machista.
Viva a FMFi! Viva as Mulheres do Barrocão! Viva a luta internacional das Mulheres!”

_Depoimento de João Almeida, médico que esteve na Roda de Conversa promovido pelo FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco no InsTI – Instituto Tonny Ítalo
FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco em Luta com o Povo:
 Vamos às ruas!
FMFi na Praça e na Marcha dia 8 de Março
 FMFi assina a carta a representantes de governo do Estado do Ceará e capital Fortaleza
FMFi contra o Golpe - 8 de Março
CARTA DOS MOVIMENTOS FEMINISTAS E DE MULHERES DO CEARÁ AO GOVERNADOR DO ESTADO, À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO CEARÁ, AO PREFEITO DE FORTALEZA E À CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA 
(_leia Carta na íntegra no final da matéria)


“Nunca se esqueça que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes. Você terá que manter-se vigilante durante toda a sua vida”. Simone de Beauvoir
Praça da Bandeira
Tema da mobilização da #ConstruçãoColetiva
Praça da Bandeira
Pela Vida das Mulheres! Pelo fim da violência e do feminicídio! Em defesa da Democracia! Contra o golpe e a intervenção militar! Contra a Reforma da Previdência!

Março - O Dia Internacional da Mulher (8), bem como todo o Março Lilás é de grande importância em sua Pauta e Agenda
Praça da Bandeira

País vive um grave momento de Golpe e avanço nas retiradas de direitos e ataques à categoria trabalhadora, sendo assim, a
Coordenação do Fórum opta por estar em Luta com o Povo: Vamos às ruas!

Abaixo, disponibilizaremos alguns eventos a que nos juntaremos no Ceará e Brasil para fortalecer a causa

Marcha das Mulheres
| FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco
Dia Internacional da Mulher
| 8 de Março – às 8h
Concentração: Praça da Bandeira - Fortaleza/Ceará

| FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco em Luta com o Povo por equidade e democracia!
 Vamos às ruas!
Faculdade de Direito (UFC) - Praça da Bandeira
Pela Vida das Mulheres! Pelo fim da violência e do feminicídio! Em defesa da Democracia! Contra o golpe e a intervenção militar! Contra a Reforma da Previdência!


Praça da Bandeira -
Mulheres do Ceará com Dilma e Mulheres no Fisco


8 de Março: Dia Internacional de Luta das Mulheres!
Marcha das Mulheres
Há mais de cem anos (1917), este dia tornou-se um importante marco de reivindicação e resistência para nós mulheres que saímos nas ruas para defender nossos direitos.

Marcha das Mulheres
A origem socialista do dia 8 de Março:
https://pcb.org.br/portal2/13763/a-origem-socialista-do-dia-08-de-marco

Marcha das Mulheres
“O Oito de Março é o dia que comemora a história de luta das mulheres em todo o mundo, uma luta por dignidade, igualdade de direitos e salários, e também por uma sociedade justa e igualitária.
Marcha das Mulheres
Neste ano, o Golpe em curso no Brasil vem refletindo tragicamente na democracia do país como também na vida das mulheres.


Governo golpista (Temer) congela investimentos em educação e saúde por 20 anos, aprova a Reforma Trabalhista e tenta a todo custo aprovar a reforma da previdência.  O grande capital, setores do judiciário, e as grandes corporações da mídia, em especial a Rede Globo (em conjunto), vêm expressando um verdadeiro retrocesso sobre os nossos direitos duramente conquistados. Através do judiciário, caminham processos que protegem os ricos e criminalizam os pobres. Crescem as prisões políticas como forma de criminalizar as lideranças populares, a exemplo daqueles que lutam pelo direito à terra. Bem como é nítida a tentativa de inviabilizar a candidatura do ex-presidente Lula, com uma condenação sem provas.
Marcha das Mulheres
Aumento do conservadorismo com medidas que retiram direitos das mulheres, extinção de políticas públicas de combate à violência, além de representar um verdadeiro atraso no país repercute no aumento da violência contra a mulher.

Em nosso Estado, grande é o aumento do número de mulheres assassinadas e de mulheres que enterram suas/seus filhas/filhos e têm suas vidas interrompidas na “guerra às drogas”, sem esquecer o controle das facções.

Precisamos questionar e lutar pra mudar esta realidade!
Por isso, nós mulheres do FMFi, nos juntamos às mulheres da Frente Brasil Popular (FBP) e estamos nas ruas em todo País, em marcha convocando todas e todos a se somarem nesta luta em defesa da democracia, pela vida das mulheres, denunciando o machismo, o feminicídio, o racismo, a lgbtfobia e as desigualdades que vêm se aprofundando no atual contexto de Golpe contra a classe trabalhadora.
Fórum de Mulheres ao vivo na life do vereador Guilherme Sampaio
DEFENDEMOS:
·        Políticas públicas de enfrentamento à violência contra a mulher!
·        A revogação da reforma trabalhista!
·        Soberania energética e alimentar!
·        O direito de Lula ser candidato
·        O direito ao aborto legal e seguro!
·        Reforma agrária e urbana popular!
 Praça da Bandeira
DENUNCIAMOS E SOMOS CONTRA:
·        Toda forma de violação de direitos!
·        A intervenção militar no rio de Janeiro e a guerra às drogas!
·        O racismo e extermínio da juventude negra!
·        A reforma da Previdência!
·        O neoliberalismo que reforça o poder do patriarcado, o controle sobre nossas vidas e mercantilização dos nossos corpos!
  
Somente numa sociedade sem exploração, a sociedade socialista, mulheres e homens poderão se emancipar de todas as opressões e da dominação de classe, gênero e raça/etnia

Mulheres e Homens em luta por equidade e democracia
| FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco em Luta com o Povo por equidade e democracia!
 

#ConstruçãoColetiva
Praça da Justiça - antiga Praça do BNB


Vídeo no Canal do FMFi flagra, momento em que a Marcha de Mulheres saía da Praça da Bandeira em direção às ruas do Centro de Fortaleza para a Praça da Justiça, a intolerância de um motorista (sexo masculino) que saiu do carro pra gritar contra nós e a dizer palavras de ‘ordem’ por Bolsonaro...

| 24Ciranda das Mulheres: Roda de conversas e palestras com Mulheres da comunidade
Hora: 16h
Local: Sede do InsTI – Instituto Tonny Ítalo 

AGENDA MULHERES DO CEARÁ EM LUTA - FBP

03 – Palestra: Pelo direito à aposentadoria e em defesa da democracia
Hora: 8h
Local: Sede do Sindicato dos Bancários

03 – Feijoada Feminista MMA
Hora: 12h
Local: Avenida da Universidade, 2432

05 – Mulheres do PT em Movimento pelo Dia Internacional da Mulher
Hora: 15h
Local: Sede do PT Ceará

06 - Mês da Mulher no TJA: Roda de Conversa "Mulher e Arte"
       (com várias representantes da arte e cultura cearense)
Hora: 14h
Local: Theatro José de Alencar (FOYER do TJA)
_Imagem: TJA oficial

“SEJAMOS NEGRAS METIDAS!”
Isaíra Silvino
_Isaíra Silvino: TJA oficial
Mês da Mulher no TJA: Roda de Conversa "Mulher e Arte" aconteceu nesta terça (6), com várias representantes da arte e cultura cearense
O Theatro José de Alencar (TJA), equipamento da Secretaria da Cultura do Estado do Ceará (SECULT) realiza neste mês o “Março Mulher & Arte", com diversas ações ao longo do mês, para celebrar o Dia Internacional da Mulher - 8 de Março. Entre as atividades esteve a conversa “Mulher & Arte”, com várias representantes da arte e cultura do Estado, que aconteceu nesta terça-feira (6), à tarde, no FOYER do TJA. 
 “Temos muito o que construir; não quero saber de desconstrução” Isaíra Silvino

_Imagem: TJA oficial
“Sejamos negras metidas!”, fala da maestrina nos remete ao Março Lilás 2017. Matéria completa no link 
Isaíra fazia referência à sua infância/adolescência. Quando se referiam a ela como “negra metida”. Por ousar atuar nos espaços que predominavam o “homem branco”.
_Imagem: TJA oficial


A atividade objetivou discutir o papel da mulher na sociedade, apresentando a força do seu trabalho na área cultural, exaltando suas obras e conquistas. Na ocasião, estiveram presentes Suzete Nunes - produtora, gestora Cultural e secretária Adjunta da Cultura do Estado do Ceará; Izaira Silvino - cantora, compositora, professora, instrumentista e coralista; Graça Freitas - atriz, diretora de teatro e produtora do grupo Formosura de teatro; Anália Timbó - bailarina, coreógrafa, pedagoga, professora de dança e fundadora da Associação Vidança Cia de Danças do Ceará; Nely Rosa - fotógrafa e proprietária da Galeria Mestre Rosa; e Kelly Brown, ativista e produtora do grupo de Rap Gangsta, Raciocínio Cotidiano. Além de representantes de movimentos sociais e de mulheres. Pelo FMFi – Fóum de Mulheres no Fisco, esteve presente a coordenadora Gláucia Lima.
Após a Roda de Conversa a Fundação Amigos do TJA promoveu uma projeção de Fotografia do movimento Mulheres da Imagem do Ceará no nosso Café Iracema.
Lucas Jr. e Gláucia Lima (InsTI-Instituto Tonny Ítalo e
FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco)
Confira a programação completa do mês de Março no TJA pelo site: www.secult.ce.gov.br


08 – Ato Dia Internacional da Mulher

08 – Ato Dia Internacional da Mulher
Hora: 8h
Local: Praça da Bandeira - Fortaleza

08 – Roda de conversa: Mulher, Direitos e Mídia
Hora: 19h
Local: Sede do Sindjorce

13 – Roda de conversa: Todo feminismo é necessário
Hora: 19h
Local: Sede do Sindjorce

16 – Assembleia Mundial das Mulheres
Hora: 9h
Local: Salvador – BA

22 – Roda de conversa: Desafios da mulher negra no Brasil
Hora: 19h
Local: Sede do Sindjorce

24 – Ciranda das Mulheres: Roda de conversas e palestras com Mulheres da comunidade
Hora: 16h
Local: Sede do InsTI – Instituto Tonny Ítalo

23 – Homenagem às mulheres fundadoras do Sintsef
Hora: 15h
Local: Sede do Sintsef

29 – Roda de conversa: Ciberativismo Feminista e o ódio na Internet
Hora: 19h
Local: Sede do Sindjorce



A T E N Ç Ã O:


Posição do Fórum de Mulheres - FMFi:

Golpistas, Racistas, Sexistas, Fascistas, Machistas, não passarão!
Não ao voto em ‘golpista’, FMFi reafirma seu compromisso pela Democracia!

“(...) A violência baseada no gênero, não importando a forma como se apresenta, é uma violação dos direitos humanos passível de condenação por todos os estados-parte da Declaração de Genebra. O Brasil como signatário dessa declaração, obriga-se a cumpri-la e sua política nacional deve ser pautada pelos seus fundamentos.
Portanto, o FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco conclama toda a sociedade a repudiar toda e qualquer atitude, machista, homofóbica e preconceituosa que ponha em risco a harmonia entre homens e mulheres, independente de etnia, classe social ou condição.”


#VaiTerLuta #VemPraDemocracia #SaiTemer #FicaPrevidência

FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco

Em busca da equidade e na Luta pela Democracia!

*FMFi assina a carta a representantes de governo do Estado do Ceará e capital Fortaleza

CARTA DOS MOVIMENTOS FEMINISTAS E DE MULHERES DO CEARÁ AO GOVERNADOR DO ESTADO, À ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO CEARÁ, AO PREFEITO DE FORTALEZA E À CÂMARA MUNICIPAL DE FORTALEZA

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Bruxas: quem são elas?

Vamos Ler e desmistificar?

"31 de outubro: a Wicca comemora a festa de Beltane, ou o Halloween. O auge da primavera, a fertilidade. Dia mágico de nutrir nossos sonhos... continue a ler em http://t.co/4sEm1c5w Ser ¡Voz! A Grande Arte do Ser Bruxa - o que teria que falar sobre o tema, está escrito em uma matéria (aí o link), mais seria redundância. Viva o saber feminino!” Gláucia Lima – escritora é uma das coordenadoras do FMFi

“Bruxas eram mulheres empoderadas. Insubordinadas. Livres.♀♂
Que conheciam as ervas, os mistérios da natureza, da vida, da morte. Seu corpo, seu ciclo menstrual, seu poder.
Muitas não se casavam, preferiam viver na floresta com os animais e suas amigas. Ou sozinhas com suas plantas.
Recusavam os padrões da normatividade.
As que se casavam certamente não eram submissas a seus maridos como as mulheres da época.
Tinham sabedoria da ancestralidade, curavam doenças, dançavam pra lua, contavam histórias.
Tinham visões, sonhos, intuições.
Eram mulheres, apenas.
Foram perseguidas e mortas na idade média no maior feminicídio ja visto por representarem uma ameaça ao patriarcado. Por saberem o que os homens não entendiam.
Associadas a imagens de feias, assustadoras, velhas, solitárias, loucas e principalmente más.
A caça às bruxas foi possivelmente o início do afastamento das mulheres de sua própria essência. Por questão de sobrevivência passaram a renegar sua natureza selvagem, se esconder e a ver  como amaldiçoado seu corpo de mulher.
Nós somos as netas não só das que não conseguiram queimar mas principalmente das que queimaram.
Carregamos a história de todas as mulheres e o fogo da inquisição arde em nós.
E dele renascemos.”

“Somos as netas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar.” ♀♂
Essa frase, recorrente no feminismo, nos gritos e nas marchas de rua, diz muito sobre quem somos e, por isso, é tão bonita. Ser bruxa sempre foi associado a coisas ruins. A bruxa é a vilã de todas as histórias, é quem causa o mal em diversos contos de fada, é quem acaba com o amor. A bruxa é aquela que tem que morrer. E foi exatamente isso que aconteceu na Idade Média.
Explico. Na chamada Inquisição, a Igreja Católica perseguiu todos e todas que fugissem minimamente de suas estritas regras, para assim, no final das contas, se manter com poder e dominação. Neste grupo, estavam as bruxas, mulheres do mal, tomadas pelo demônio, seres execráveis e totalmente perigosos. Assim se dizia na época. A solução? Tortura! Forca! Fogueira! Isolamento total! Basicamente a negação total dos direitos humanos (noção que não existia na época), supostamente em nome de Deus.
E o que faziam essas mulheres de tão terrível? Nada. Eram simplesmente mulheres que não faziam questão de se enquadrar na ideia de mulher proposta pela Igreja e pela sociedade como um todo. Eram mulheres que não acreditavam no Deus dos católicos, mulheres que desenvolviam e reproduziam suas próprias sabedorias, mulheres que lésbicas… mulheres que, de uma maneira ou de outra, “pecavam”. Todas essas mulheres, sob a alcunha de bruxas, eram assassinadas sem dó nem piedade por uma população fervorosa, guiada por uma instituição completamente desumana.
De minha parte, acredito que matar mulheres por dançarem nuas sob o luar, independentemente do contexto histórico, não passa de feminicídio e de uma evidente misoginia.
Mas eu entendo porque esse tipo de coisa aconteceu na história da humanidade. Na verdade, entendo porque acontece até hoje – não sejamos hipócritas, mulheres morrem todos os dias por culpa do machismo. O mundo tem medo de mulheres que tentam fugir das regras. Caracterizar uma mulher como bruxa não passa de uma tentativa de diminuir as forças dessa mulher. Para que ela não se junte a outras mulheres. Para que ela tenha medo e não perceba que, coletivamente, tem força suficiente para mudar o mundo e torná-lo mais livre.
A imagem da bruxa, depois, se tornou recorrente em meios pedagógicos (bem mais doutrinários e moralizantes do que pedagógicos) para ensinar as meninas como elas não podiam ser. “Meninas, se vocês forem diferentes, vão acabar estigmatizadas como todas as bruxas da Inquisição. Vão acabar queimadas em praça pública que nem elas.” Deu no que deu. Gerações e gerações de mulheres invisibilizadas e amedrontadas, renegando as mais velhas que foram contra a maré.
Seja as bruxas da Europa, as indígenas da América ou as negras da África e das religiões afro-brasileiras (quem nunca ouviu a frase infeliz “chuta que é macumba”?) todas elas tiveram seus conhecimentos e forças renegados pelos homens brancos e poderosos, organizados na política, na religião, em tudo.
Hoje, depois de saber tudo isso, penso que devemos continuar. Ser feminista hoje em dia ainda significa confrontar os dogmas patriarcais da sociedade. E, sendo feministas, devemos ter orgulho da luta de todas as mulheres, da força de todas elas, e afirmar: somos, sim, as netas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar. E seguiremos em frente.


RESPEITAMOS AS CULTURAS DOS POVOS!!! FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco

_Imagens do Google

FMFi – Fórum de Mulheres no Fisco Em busca da equidade e na Luta pela Democracia!  manifesta-se por Amor, Equidade e Respeito!


A T E N Ç Ã O:


Posição do Fórum de Mulheres - FMFi:

Golpistas, Racistas, Sexistas, Fascistas, Machistas, não passarão!
Não ao voto em ‘golpista’, FMFi reafirma seu compromisso pela Democracia!

“(...) A violência baseada no gênero, não importando a forma como se apresenta, é uma violação dos direitos humanos passível de condenação por todos os estados-parte da Declaração de Genebra. O Brasil como signatário dessa declaração, obriga-se a cumpri-la e sua política nacional deve ser pautada pelos seus fundamentos.
Portanto, o FMFi - Fórum de Mulheres no Fisco conclama toda a sociedade a repudiar toda e qualquer atitude, machista, homofóbica e preconceituosa que ponha em risco a harmonia entre homens e mulheres, independente de etnia, classe social ou condição.”